quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

NOVA INTERFACE USB 3.0


Quando estamos sentados em frente ao PC aguardando a tarefa de copiar arquivos para um disco externo, com interface USB 2.0, os segundos se transformam em minutos e os minutos se transformam horas. Mesmo a importantíssima atividade de backup é deixada sempre para outro momento, devido a essa demora.
É nesse ponto em que a USB 3.0 muda a vida para melhor, pois a velocidade de transferências de dados entre é cerca de dez vezes superior à versão 2.0 da interface USB. Nos testes realizados por PC World (EUA), os discos rígidos USB 3.0 da Iomega, Bufalo Technology e Western Digital mostraram que a mudança será mesmo significativa.
A velocidade de transferência é o principal atrativo da nova versão, mas é importante ressaltar que a compatibilidade da nova tecnologia com o protocolo atualmente em uso na versão 2.0 será garantida.
Claro que, para obter o desempenho da USB 3.0, será necessário uma placa adaptadora ou ter uma placa-mãe que já traga embutido o circuito da nova interface. Entretanto, é possível usar dispositivos com USB 3.0 em computadores com interface USB 2.0; o desempenho, porém, será o mesmo que temos hoje com o atual protocolo das USB 2.0. O inverso também é válido: um HD com USB 2.0 poderá ser utilizado em computadores que já tenham a interface 3.0, lembrando que a velocidade, nesse caso, também sem ganho de performance.

Como distinguir
Tudo isso ocorre porque o novo protocolo conta com a adição de duas linhas de dados e mais um sinal de aterramento na USB 3.0. O formato do conector é o mesmo da versão anterior, mantendo os sinais e a pinagem de forma a aceitar dispositivos USB 2.0.
Mas se os conectores são iguais, como fazer para distingui-los? Felizmente isto será tarefa fácil: os fabricantes irão usar a cor azul (brilhante) na parte interna dos conectores USB 3.0 - veja imagem no início desta dica, para não haver engano.
Além da velocidade, a especificação do USB 3.0 tem uma vantagem adicional: ela requer apenas um terço do consumo elétrico da USB 2.0. Os desenvolvedores criaram o circuito de forma em que o sinal elétrico é apenas levado para o dispositivo que precisa da informação, deixando outros dispositivos conectados em estado de baixa energia. Tal alteração aplica-se para o barramento e não para os dispositivos USB 3.0. Mas isso já economiza energia.
Dispositivos USB 3.0 começarem a apontar no mercado, seja em produtos como placas-mãe, que possuem a interface embutida em seu circuito, seja em periféricos como discos rígidos. Mas uma migração em massa não deve ser imediata. Pesquisa feita pela In-Stat, somente em 2013 o mercado terá pouco mais de 25% de produtos com suporte à interface 3.0.
Essa transição lenta não é surpreendente, considerando que nenhum periférico compatível ou dispositivos eletrônicos de consumo têm mesmo sido anunciados até agora. Alguns dispositivos, como teclados e mouses, por exemplo, não irão se beneficiar em melhor desempenho. Outros produtos, como câmeras digitais e filmadoras, terão mais desempenho na transferência de dados com a USB 3.0 e esperamos ver alguns modelos equipados com a nova interface aparecer no início de 2011.

Texto: Melissa J. Perenson e Jon L. Jacobi, da PC World/EUA - 09-04-2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário